Terra Ancestral, Solo Sagrado / Ancestral Land, Sacred Ground

Letícia Barreto, 2019. Terra Ancestral Solo Sagrado: Surui/Ancestral Land, Sacred Ground: Surui. Aquarela/Aguarela/Watercolor. 50 x 70 cm.

press to zoom

Letícia Barreto, 2019. Terra Ancestral Solo Sagrado: Enawerê-nawê / Ancestral Land, Sacred Ground: Enawerê-nawê. Aquarela/Aguarela/Watercolor. 50 x 70 cm.

press to zoom

Letícia Barreto, 2019. Terra Ancestral Solo Sagrado: Marubo / Ancestral Land, Sacred Ground: Marubo. Aquarela/Aguarela/Watercolor. 50 x 70 cm.

press to zoom

Letícia Barreto, 2019. Terra Ancestral Solo Sagrado: Surui/Ancestral Land, Sacred Ground: Surui. Aquarela/Aguarela/Watercolor. 50 x 70 cm.

press to zoom
1/4

Por séculos a ideia de que o ser humano era o ser superior da criação ditou a forma como nos relacionávamos com a natureza. Acreditava-se piamente que os recursos naturais eram inesgotáveis e estavam à nossa disposição para pleno usufruto por “direito divino”.

Porém, séculos de exploração demonstraram que estávamos errados, embora muitos de nossos líderes políticos continuem a tentar desacreditar a ciência e os factos.

Essa série pretende ser um tributo aos vários povos indígenas do Brasil e a sua relação com a natureza. Muitas tribos referem à Terra como a sua “mãe”, tendo consciência da natureza como fonte de sobrevivência e da interdependência de todos os seres vivos.